Eventos

2ª edição das 24H Agricultura Syngenta recebeu 150 futuros engenheiros agrónomos

24H Agricultura Syngenta realiza a sua segunda edição

A 2ª edição das 24H Agricultura Syngenta realizou-se nos dias 1 e 2 de abril na Escola Superior Agrária de Coimbra. De acordo com a organização, na edição deste 150 futuros engenheiros agrónomos de todo o país estiveram reunidos para testar conhecimentos em cerca de 30 provas como calibrar um pulverizador, calcular a área da parede foliar num pomar, montar um sistema de rega, calcular o arraçoamento de bovinos ou negociar financiamento para uma exploração agrícola.

Domingos Almeida, presidente da Associação Portuguesa de Horticultura (APH), uma das envolvidas na organização deste evento, abriu os ‘trabalhos’, referindo que “a partir deste momento, deixam de ser estudantes e passam a ser quadros técnicos do Chalé do Bispo, empresa familiar que se dedica à fruticultura, horticultura e pecuária, e que em 2015 faturou 2,5 milhões de euros. No entanto, no último ano, surgiram rumores sobre a estabilidade financeira da empresa e, todas as decisões que tomarem a partir de agora, devem ter em conta este facto.”

Seguiram-se cerca de 30 provas, entre desafios teóricos e práticos que foram acontecendo ao longo das 24 horas. As provas práticas concentraram-se ao longo do dia, no campo, e as provas teóricas foram divididas entre o período diurno e noturno no quartel-general do evento, um antigo armazém adaptado à competição.

“O formato deste evento é muito inovador e está alinhado com à estratégia global da Syngenta rumo a uma Agricultura Sustentável. Todas as provas que desenvolvemos nesta edição visam promover as Boas Práticas Agrícolas no que respeita ao manuseamento e aplicação dos produtos fitofarmacêuticos, que é a melhor forma de colmatar a crescente retirada do mercado europeu de soluções para proteção das culturas. O balanço desta edição das 24H Agricultura Syngenta é muito positivo, os estudantes mostraram empenho e interesse em aprender as novas tendências da agricultura de precisão”, refere António Howorth, da Syngenta.