Investigadores espanhóis criam nariz eletrónico portátil

Investigadores espanhóis criam nariz eletrónico portátil

Investigadores espanhóis desenvolveram a tecnologia ‘nariz eletrónico’, uma solução “barata e portátil” que pode ser usada em testes organolépticos e no controlo de qualidade dos alimentos, azeite e vinho.

Embora os ‘e-narizes’ não sejam propriamente novos, a Universidade de Extremadura e o Grupo Sensorial Systems Research afirmam que o seu novo sistema “reduz o tempo e o custo dos testes”, citado pelo Olive Oil Times.

O investigador Jesus Lozano, afirma que este dispositivo portátil “imita o nariz humano e custa dez vezes menos que os métodos até agora existentes”.

A desvantagem, aponta o cientista, é a necessidade do aparelho “ser calibrado com amostras conhecidas. Quantos mais testes realizar, melhores são os resultados”.

O sistema é indicado para o controlo de qualidade na indústria alimentar, assim como na avaliação das propriedades organolépticas do vinho, a deteção de explosivos e doenças e o desenvolvimento de perfumes e cosméticos.

“Há uma necessidade de melhorar o nariz eletrónico e a deteção eletrónica dos defeitos sensoriais na tecnologia, de forma a controlar as fraudes no setor”, disse Hugo Regojo, diretor-geral do grupo Bogaris.