Agroindústria

360 toneladas de fitofarmacêuticos ilegais apreendidos

360 toneladas de fitofarmacêuticos ilegais apreendidos

O Serviço Europeu de Polícia – Europol apreendeu 360 toneladas de produtos fitofarmacêuticos ilegais no âmbito da operação ‘Silver Axe’. De acordo com os responsáveis pela operação, que contou com o apoio do Organismo Europeu de Luta Antifraude (OLAF), da Associação Europeia para a Proteção das Plantas (ECPA), da CropLife e da ANIPLA, esta é já considerada “a maior apreensão de produtos fitofarmacêuticos ilegais ou contrafeitos de que se tem registo”.

António Lopes Dias, diretor executivo da ANIPLA, sublinha que “congratulo os resultados alcançados e ficamos orgulhosos pela quota parte que o nosso país, através do envolvimento da ANIPLA, contribuiu para o sucesso desta operação. Recordo que Portugal é uma das portas de entrada para a Europa, facto que foi tomado em consideração pelas autoridades. É muito importante para a segurança das pessoas e ambiente, sobretudo, que se continue a lutar contra a contrafação. Destaco ainda o nosso envolvimento com as autoridades no sentido da punição das utilizações ilegais – produtos não homologados e produtos vindos de Espanha – com resultados alguns já públicos e outros que sabemos que virão a ser comunicados em breve.”

Wil van Gemert, vice-diretor executivo de operações da Europol, acrescenta que “por meio de uma operação deste tipo, a polícia em toda a Europa e em outros países está a combater fortemente os produtos fitofarmacêuticos falsificados. O volume recorde de substâncias perigosas apreendidas este ano é um passo importante para impedir o fluxo de produtos potencialmente letais para o mercado da UE. A complexidade e a escala desta fraude significam que a cooperação tem que acontecer para além das fronteiras com uma abordagem de múltiplas agências, trabalhando lado a lado com o setor privado”.

A operação foi liderada pela Holanda e por Itália e durou 20 dias, integrando a realização de buscas nos principais portos marítimos, aeroportos e fronteiras terrestres, incluindo instalações de produção e embalagem em 27 países, nomeadamente Portugal, conta a ANIPLA, em comunicado.