Financiamento

Soja de Portugal vai financiar projetos de investigação de jovens portugueses

Soja de Portugal vai financiar projetos de investigação de jovens portugueses

A Soja de Portugal vai financiar três projetos de investigação de jovens investigadores da Universidade do Porto. De acordo com a empresa, esta parceria, que foi criada em 2012, “é uma oportunidade enriquecedora quer para a indústria agroalimentar, quer para os jovens investigadores participantes, uma vez que permite a acumulação de conhecimento válido e o desenvolvimento de projetos de continuidade.”

Segundo o CEO da Soja de Portugal, António Isidoro, “são parcerias fundamentais tanto para a Universidade do Porto como para a Soja de Portugal: o estudante tem a oportunidade de participar numa investigação em contexto real e nós temos a oportunidade de trabalhar com as diferentes equipas de investigação da Universidade do Porto, de forma a compreender se temos objetivos comuns para trabalhos futuros”, sublinhando ainda “que os resultados são geralmente muito interessantes e preenchem lacunas no nosso conhecimento”.

Na edição deste ano, os projetos escolhidos foram:

  • IJUP-Empresas-27 – “Evaluation of production or processing control practices on the microbiological quality and safety of poultry meat with focus on Salmonella.” Investigador Principal: Patrícia Antunes – Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação;
  • IJUP-Empresas-32 – “Estudo de prevalência de Campylobacter spp e Helicobacter pullorum em frangos: entre a produção primária e a expedição.” Investigador Principal: Paulo Costa – Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar;
  • IJUP-Empresas-33 – “Black Soldier Fly (Hermetia illucens) as fish meal substitute in diets for meagre (Argyrosomus regius): growth, digestibility and gut health.” Investigador Principal: Paula Enes – Faculdade de Ciências.

O Grupo Soja de Portugal diz ainda que esta iniciativa tem permitido “estimular o envolvimento precoce destes estudantes (os mais jovens investigadores da UP) em atividades de investigação científica e a sua ambientação ao contexto de trabalho real no meio empresarial”, ao mesmo tempo que permite à empresa obter respostas “na resolução de problemas e no descobrir de novas oportunidades dentro da área de atividade” do grupo.