Arrastamento da calda de produtos fitofarmacêuticos em pomares e contaminação de indivíduos nas imediações

Jorge F. Moreira, Júlia Santos, C. R. Glass, S. A. Wild e D. P. Sykes 22 de Dezembro - 2010

Em artigo anterior (Moreira et al., 2007) relatou- se a contaminação dos aplicadores de produtos fitofarmacêuticos em pomares de citrinos, em ensaios com corantes, comparativamente, em aplicações com pulverizador de pressão hidráulica com barras verticais e pulverizadores assistido por ar (turbina), acoplados ao tractor, e com pistolas de pulverização.

Embora nas aplicações de produtos fitofarmacêuticos se tenham generalizado as turbinas, ainda se utilizam as pistolas de pulverização. Por vezes, recorre-se, neste caso, a ajudante de aplicador para auxiliar o manuseamento das mangueiras.

Naqueles ensaios, no caso das pistolas de pulverização, em complemento à exposição potencial do aplicador, estenderam-se as observações, quando relevante, ao ajudante do operador (Figura 1) e, ainda, a indivíduos “desprevenidos”, ocasionalmente nas proximidades da aplicação, frequentemente denominados “bystanders”, apresentadas em simpósio (Moreira et al. 1999) e que agora se divulgam.

Edição outubro 2014| n.º 1801

Chineses produzem hortícolas asiáticos em Portugal

Bagas de sabugueiro podem ser aposta viável

Colheita mecanizada em olivais de montanha

Outras publicações do Grupo