Hortofrutícolas

Luta biológica contra a Trioza erytreae vai avançar

citrinos

Já está em marcha um programa experimental de luta biológica contra a praga quarentena Trioza erytreae, o vetor da doença conhecida como Citrus greening, que tem causado enormes prejuízos a nível mundial na cultura dos citrinos.

O Ministério da Agricultura anunciou o início do programa, através da Autoridade Fitossanitária Nacional, que consta, nesta fase, de largadas experimentais de um inseto parasitoide específico.

A Trioza erytreae é vetor da doença Huanglongbing (ou Citrus greening) causada pela bactéria Candidatus liberibacter, que ainda não detetada no território europeu. Pretende-se assim evitar a entrada daquela que é considerada como a mais grave doença a nível mundial para estas espécies vegetais.

“A largada experimental do parasitoide Tamarixia dryi foi realizada no passado mês de outubro, em 4 locais na região centro do País e 3 locais na região oeste, numa estreita colaboração entre a Direção Geral de Alimentação e Veterinária e a Dirección General de Sanidad de la Producción Agraria, o Instituto Superior de Agronomia, o Instituto Instituto Canario de Investigaciones Agrarias e o Instituto Valenciano de Investigaciones Agrarias”, revela o Ministério da Agricultura em comunicado.

De acordo com a mesma fonte esta ação, acompanhada pelas Direções Regionais de Agricultura e Pescas de Centro e de Lisboa e Vale do Tejo, “envolveu a libertação de cerca de 1800 insetos, após a realização de uma análise prévia de risco e depois de obtida uma autorização de experimentação no contexto da legislação específica das espécies exóticas”.