Floresta

Investimento de 54 M€ na central de biomassa de Mangualde já está em andamento

Investimento de 54 M€ na central de biomassa de Mangualde já está em andamento

Vai ser instalada no município de Mangualde uma central de biomassa para a produção de energia elétrica. O investimento de 54 milhões de euros foi esta semana apresentado pelo Presidente da Câmara Municipal de Mangualde, João Azevedo, e é um projeto da SIAF, empresa da Sonae que produz aglomerados de madeira, revela o regional Jornal do Centro.

Numa nota enviada às redações, o município explica que este investimento pretende “abastecer a própria unidade fabril do Grupo Sonae tornando-a mais competitiva e autossuficiente”.

Para João Azevedo, presidente do município, trata-se de “um projeto já a andar e não algo virtual. Um investimento real que visa abastecer a própria unidade fabril do Grupo Sonae tornando-a mais competitiva e autossuficiente. A central permitirá a criação de outras empresas no setor da recolha dos recursos florestais, tratando-se de um investimento que vai permitir produzir melhor eletricidade, fomentar o ordenamento do território e criar empregos indiretos (…) É primordial para o concelho dispor de uma unidade com a capacidade de fazer um investimento tão importante. De acordo com o projeto, com a central termoelétrica a biomassa florestal poderá injetar até 12 MVA de energia elétrica na rede pública”.”

Jorge Sanches, Secretário de Estado da Energia, esteve presente na apresentação da nova central e sublinhou que “sendo Portugal um país muito bom nas energias renováveis, faz todo o sentido apostar no seu desenvolvimento nos territórios onde existem os recursos”.

“O projeto engloba a engenharia e construção de uma caldeira de biomassa de última geração, com 90 MW de potência de combustão, equivalente a 266kTon biomassa por ano, que utilizará como combustível biomassa florestal residual. Ao associar a utilização da biomassa residual à utilização da fibra virgem no processo industrial e permitindo a utilização completa do recurso disponível, a utilização da biomassa é mais rentável e permite aplicações mais nobres”, explica ainda o município.