Azeite

Portugal “quadruplicou a produção de azeite” nos últimos dez anos

olival - azeitonas - Vida Rural

Nos últimos dez anos, Portugal “quadruplicou a produção de azeite” e “triplicou o volume de exportações”. Os números foram avançados pelo secretário de Estado da Agricultura, Luís Vieira, que durante a sessão de abertura do Congresso Nacional do Azeite, que decorreu em Valpaços, revelou que o país atingiu em 2016 “um excedente da balança comercial no valor de 170 milhões de euros”.

Segundo o secretário de Estado, “passámos de importadores líquidos, com um défice de 50 milhões de euros em 2008, para um excedente da balança comercial, o que é notável”. Portugal é agora o sétimo produtor mundial de azeite e ocupa o quarto lugar entre os países exportadores, números que, de acordo com Luís Vieira, são reveladores da “resiliência dos nossos olivicultores”.

 “O valor global da exportação de azeite atingiu os 434 milhões de euros em 2016 (…) O setor do azeite, que muitos consideravam não ter futuro, demonstrou – pela resiliência dos nossos olivicultores e empresários – que é possível inverter uma tendência de declínio, colocando-se na última década num patamar de reconhecida notoriedade”, defendeu.

Luís Vieira considera que “este percurso deve-se à conjugação de um conjunto de fatores que mudaram o panorama do setor: novas áreas de regadio, sobretudo na região de Alqueva, investimento inovador e qualificado em pomares modernos, mais produtivos e com um perfil tecnológico elevado. Neste cenário, estima-se que a produção de azeite possa atingir, até 2020, as 120 000 toneladas, resultante, em larga medida, da entrada em produção de novos olivais.”

O secretário de Estado lembrou ainda que “os instrumentos de política de apoio ao investimento têm tido um papel relevante neste processo”. Só entre 2007 e 2014, o PRODER apoiou 4000 projetos de investimentos, que envolveram um montante global de 700 milhões, a que correspondeu um apoio público de 290 milhões de euros. Nestes valores, Luís Vieira destaca “os projetos promovidos por 1500 jovens agricultores, com um investimento associado de 130 milhões de euros e apoios públicos da ordem dos 95 milhões de euros. Um sinal evidente de transformação estrutural da agricultura portuguesa”.

Esta dinâmica de crescimento tem-se mantido no PDR 2020. De acordo com o Ministério da Agricultura, já foram aprovados 559 projetos de investimento na produção e transformação que ascendem a 159 milhões de euros, a que corresponde um apoio público de 59 milhões de euros.