Fábrica brasileira vai produzir bioplástico a partir de milho

Fábrica brasileira vai produzir bioplástico a partir de milho

A Limagrain Guerra do Brasil – empresa formada pela fusão da brasileira Sementes Guerra e a cooperativa multinacional de origem francesa Limagrain, vai criar uma fábrica de bioplásticos derivados do milho, num investimento de cerca de 31 milhões de euros.

A unidade deve iniciar as atividades em agosto de 2013 no estado brasileiro Pato Branco, com capacidade para 72 mil toneladas de bioplástico, avança o Globo Rural.

Segundo Ricardo Guerra, diretor executivo da Limagrain Guerra do Brasil, a fábrica vai produzir polímeros derivados de milho para a produção de plásticos 100% biodegradáveis. “É um material que se decompõe em 126 dias por meio de um processo biológico”, explica.

O bioplástico pode também ser utilizado na agricultura, como cobertura dos solos. “No processo de decomposição, o produto reage com micro-organismos e transforma-se em húmus. É um processo de reutilização de resíduos”, acrescenta o responsável.

De acordo com Ricardo Guerra, os polímeros derivados do cereal também podem transformar-se em plásticos transformados, como os usados em potes de plantas, copos ou recipientes para sementes.