Regadio

Governo investe 3,5 M€ para aumentar capacidade de albufeiras nacionais

Governo investe 3,5 M€ para aumentar capacidade de albufeiras nacionais

O Governo anunciou esta quarta-feira (24 de janeiro) que pretende investir cerca de 3,5 milhões de euros num programa de intervenções para aumentar a capacidade de armazenamento e melhorar a qualidade da água de oito albufeiras nacionais. A maioria destas intervenções passa pela limpeza das estruturas.

De acordo com João Pedro Matos Fernandes, ministro do Ambiente, tratam-se de intervenções “da maior importância” para garantir que “temos condições de chegar ao próximo verão” com “maior capacidade de encaixe” e “melhor qualidade” de água nas albufeiras que, atualmente, têm menor volume de água e servem sobretudo para abastecimento público, mas também rega.

Do investimento total previsto no programa, 2,3 milhões de euros vão servir para nove intervenções de limpeza das oito albufeiras e 1,2 milhões de euros para uma empreitada de alteamento para aumentar de 3,2 para 4,2 hectómetros cúbicos a capacidade e instalar comportas hidropneumáticas no descarregador de cheias da albufeira de Pretarouca.

As intervenções de limpeza, para onde será canalizada a maioria do investimento, servirão para remover sedimentos das albufeiras, nomeadamente “muitos nutrientes e muita matéria orgânica, que são os responsáveis pela degradação natural da qualidade da água”, e, desta forma, “aproveitar ao máximo todo o volume de água que existe nas albufeiras”, explicou o ministro.

“Nas albufeiras, há sempre uma parcela de água a que chamamos de volume morto, isto é, aquele volume que está mesmo no fundo da albufeira e onde existem muitos nutrientes e é extraordinariamente difícil, caro e complexo, do ponto de vista técnico, poder utilizar essa água para ser tratada e distribuída”, revelou ainda o ministro.

Depois das intervenções será possível “reduzir bastante” o volume morto para que, “no limite, toda a água” que exista nas albufeiras seja “passível de ser captada, tratada e distribuída”, disse, frisando tratar-se de ações “muito necessárias”, mas que “não são propriamente resposta a uma urgência”.

As intervenções vão ser feitas em três albufeiras da Região Hidrográfica do Alentejo, em três da Região Hidrográfica do Tejo e em duas da Região Hidrográfica do Norte.