Agricultura

Quercus quer que Portugal seja favorável à redução do cádmio

Licença de utilização do glifosato renovada por cinco anos

A Quercus pediu esta semana que Portugal apoie a alteração da legislação europeia para reduzir os níveis de cádmio nos fertilizantes agrícolas. De acordo com a associação ambientalista, este metal pesado é prejudicial à saúde, razão pela qual acredita que o país deve mudar a sua posição “infundamentada” e apoiar a adoção de novas regras.

Carla Espinhal, da Quercus, referiu à Lusa que a União Europeia “tem estado a caminhar no sentido de alterar a legislação, [para] ser mais amiga do ambiente, por um lado, e, por outro, ser mais protetora do que consumimos, e quer alterar a legislação dos fertilizantes agrícolas”, reduzindo os níveis de cádmio utilizados.

De acordo com a associação ambientalista, “todos os Estados-membros estão a favor dessa legislação, menos seis, incluindo Portugal”, uma posição “infundamentada”. Para além disso, defende que já vários estudos da Organização Mundial de Saúde e da Agência Europeia de Segurança Alimentar mostraram que o cádmio “é um metal pesado e é cancerígeno e faz mal”.

A proposta recentemente apresentada pela Comissão de Ambiente e Agricultura do Parlamento Europeu prevê uma redução gradual dos níveis de cádmio nos fosfatos utilizados nos adubos e fertilizantes e terá ainda que ser discutida no Parlamento Europeu, estando prevista uma votação para outubro.