Agroindústria

Estudo destaca Portugal como um dos com mais potencial para bioeconomia

Estudo destaca Portugal como um dos com mais potencial para bioeconomia

Portugal é considerado um dos países europeus com maior potencial para o desenvolvimento de indústrias locais bio-baseadas e para o crescimento da bioeconomia. A conclusão consta de um estudo publicado pelo Bio-based Industries Consortium (BIC), que escolheu Portugal, Polónia e Roménia para mapear o potencial de expansão das bioindústrias na Europa.

Dirk Carrez, Diretor Executivo do BIC, sublinha que “estes estudos revelam a existência de um enorme potencial de desenvolvimento da bioindústria local em Portugal, na Polónia e na Roménia. Estes três países estão neste momento a criar as suas estratégias nacionais para a bioeconomia, que contribuirão para desenvolver as atividades das indústrias bio-baseadas. O estabelecimento de uma parceria com o BIC e com o BBI JU irá ajudar os vários intervenientes locais a acelerarem o potencial da bioeconomia no seu país e, ao mesmo tempo, fortalecerá o desenvolvimento de uma bioeconomia europeia.”

O estudo destaca que, em Portugal, o potencial das bioindústrias está diretamente relacionado com a atividade industrial de setores como a indústria agroalimentar, silvicultura e pescas, assim como a produção de produtos de cortiça e de couro. “Além de contribuir significativamente para a economia nacional, a atividade destes setores gera quantidades abundantes de fluxos residuais, que constituem uma fonte de potencial matéria-prima para a bioindústria local. As quantidades em que estes fluxos são produzidos justificam a instalação de biorrefinarias de larga escala para a sua valorização. Neste contexto, os desafios que Portugal terá que enfrentar incluem: as explorações agrícolas – na sua maioria de pequena dimensão, a sua dispersão geográfica e a ausência de políticas nacionais de apoio que promovam a adoção mais generalizada da bioeconomia, a par da insuficiência de ações de sensibilização acerca das potencialidades e benefícios da economia circular”, sublinha o consórcio.

Neste momento está já em curso um trabalho que tem como objetivo criar uma estratégia nacional para a bioeconomia. De acordo com o Bio-based Industries Consortium, este “será o estímulo necessário ao desenvolvimento da bioindústria. Portugal poderá vir a registar um aumento muito significativo das atividades das indústrias bio-baseadas a breve trecho, tendo em conta esta nova estratégia nacional para a bioeconomia, e dado que além de possuir setores primários muito fortes, o país já conta com a presença de instituições de investigação de alto nível, incluindo centros de excelência dedicados à biotecnologia e à produção de microalgas.”

No próximo mês de abril, o Bio-based Industries Consortium virá a Portugal para debater estas conclusões com vários intervenientes locais e criar um plano de ação conjunto, em especial com os intervenientes da indústria e as instituições governamentais, a fim de apoiar a expansão da bioindústria local.