Agroindústria

Portugueses criam snacks de queijo desidratado

Portugueses criam snacks de queijo desidratado

Chama-se Truly’s – Food (R)evolution e é um snack de queijo desidratado 100% natural, sem conservantes e sem glúten. A marca nacional está a apresentar-se ao mercado e chega já em junho a todas as lojas Continente do país, revelaram os responsáveis à revista DISTRIBUIÇÃO HOJE (que pertence à IFE by Abilways, que edita também a VIDA RURAL), durante o Salón Gourmets, que decorreu no passado mês de abril em Madrid.

“Criar uma nova forma de consumir queijo”. É este o objetivo da marca nacional que tem andado por feiras internacionais a apresentar um produto que diz ser “diferente de tudo o que já existe”.  Renato Vaz, Technical Manager da Truly’s, explicou à DISTRIBUIÇÃO HOJE que “a empresa existe há poucos anos. Foi criada por mim, que na altura estava a fazer um trabalho, como consultor, para uma empresa canadiana que desenvolveu esta tecnologia. Criei laços de amizade e de negócio com essa empresa e pedi que as patentes que estão sob a sua proteção me fossem entregues para exclusividade de produção em Portugal e Espanha. E assim foi: trouxe a patente, trouxe a tecnologia e adquirimos o equipamento de secagem. Passaram-se várias coisas na empresa e neste momento temos parceiros na área comercial que são sócios da empresa e que estão a dar uma nova vida ao produto e à marca.”

De acordo com Renato Vaz, o queijo desidratado da Truly’s é diferente devido ao processo de produção, que utiliza uma tecnologia “que nos permite fazer coisas que mais nenhuma tecnologia faz” e que “tem a vantagem de não afetar a qualidade original do produto”.

O processo produtivo, apesar de complexo, “é fácil de entender: colocamos queijo em cubos dentro do equipamento e secamos a muito baixa temperatura – que nunca ultrapassa os 40 ºC – porque usamos uma combinação de duas técnicas: vácuo e depois uma emissão de calor que faz com que a água evapore a uma temperatura muito baixa. O queijo não derrete: há uma secagem e uma expansão. Com estas técnicas, o queijo mantém todas as propriedades nutricionais e sensoriais originais e, por outro lado, cria-se uma nova estrutura no produto. É uma sensação de produto um bocadinho diferente do queijo comum (…) As pessoas estranham, mas depois entranha-se, porque o produto de facto é surpreendente.”

Queijos nacionais em snack
Os portugueses vão poder provar este queijo em snack já no próximo mês de junho, já que a Truly’s acaba de fechar um contrato com a Sonae que vai colocar as suas quatro primeiras referências em todas as lojas Continente – Spicy (gouda com pedaços de malagueta picante), Mozzarella, Gouda e Cheddar.

Portugueses criam snacks de queijo desidratado que chegam às lojas Continente em junho

 

De acordo com Renato Vaz, a opção de lançar a marca com queijos internacionais prende-se apenas “com a disponibilidade de produto no mercado”, mas a transformação de queijos portugueses neste tipo de snack já está nos planos.

“Temos intenção de lançar, no verão, uma variedade com ervas aromáticas e queijo flamengo. Ainda estamos a selecionar a melhor erva aromática que combine com este queijo, mas vamos fazer esse lançamento ainda este verão. Para além disso, temos já na calha lançar variedades de Queijo da Ilha, dos Açores, obviamente, e ainda uma variedade de queijo tradicional do Continente, provavelmente Queijo da Serra”, revela.

Atualmente, a Truly’s exporta para mercados como o Reino Unido e Espanha, mas pretende expandir a sua presença internacional, nomeadamente através da grande distribuição, “onde pretendemos fazer maior volume”.

“Vamos lançar o produto em todas as lojas Continente e queremos obviamente abordar outras insígnias e outros canais. O canal Horeca é muito importante também, o canal das gasolineiras…e estamos a trabalhar nesse sentido”, confessa Renato Vaz.

José Caetano, Key Account Manager da marca, acrescenta que, “a nossa estratégia comercial para Portugal passa, para já, pela nossa parceria com a Sonae, que acreditou muito no projeto. Depois queremos entrar também nos outros players. Queremos consolidar e perceber como o produto se comporta. Avançaremos para a distribuição nas bombas de gasolina e, posteriormente, o resto do mercado. Queremos fazer um processo gradual e consolidar os pontos de venda. Com a Sonae vamos ter que fazer um grande esforço em termos de investimento, nomeadamente a nível de comunicação.  Todos nós acreditamos no produto, mas as pessoas têm que o conhecer e isso requer muito trabalho.”

Mercado dos desidratados em crescimento
Renato Vaz sublinha ainda que a tecnologia tem também a vantagem de poder ser utilizada para desidratar outro tipo de produtos e, por isso, a empresa poderá avançar com o lançamento de novos tipos de snack a médio prazo.

“Este é um produto completamente novo, não existe no mercado, com exceção de um muito semelhante nos EUA e no Canadá, que é o MoonCheese, e que são nossos parceiros. Existe também uma empresa na Holanda com um produto similar, mas que usa uma tecnologia diferente. Para além destes não existe mais nada igual. Temos aqui uma grande margem para crescer”, sublinha.

“Temos um projeto para a sua utilização na carne e na fruta, nomeadamente com frutas tropicais. Esta tecnologia tem a vantagem de não afetar a qualidade original do produto e esta é uma grande tendência. O mercado dos snacks e dos desidratados está em grande crescimento”, conclui.