Agricultura

Bruxelas apoia combate à praga de gafanhotos-do-deserto com 10 milhões de euros

A Comissão Europeia anunciou ontem, dia 27 de fevereiro, uma ajuda de 10 milhões de euros destinados ao combate à praga de gafanhotos-do-deserto na África Oriental.

A República Democrática do Congo foi o mais recente país africano a ser invadido por uma praga de gafanhotos. Desde 1944 que não se verificavam casos de pragas deste inseto no país, altura em que a sua propagação levou a uma crise de fome.

Assim, temendo consequências devastadoras para a agricultura e população, uma vez que a praga afeta uma região considerada vulnerável – onde 27,5 milhões de pessoas sofrem de insegurança alimentar e, pelo menos, mais 35 milhões estão em risco –, Bruxelas anunciou a contribuição de 10 milhões de euros. Anteriormente, a Comissão Europeia já tinha mobilizado um milhão de euros de fundos humanitários. Até ao momento o total angariado para fazer face à praga é de 29,4 milhões de euros, um valor ainda longe dos 70,3 milhões de euros estimados pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) necessários para as ações mais urgentes, não só para controlo dos gafanhotos-do-deserto, mas para proteção e recuperação dos meios de subsistência agrícolas.

De acordo com um boletim informativo, Bruxelas refere que “o gafanhoto-do-deserto é considerado, a nível mundial, a praga mais destrutiva causada por espécies migratórias”,  e alerta que “a longa época das chuvas, que terá início em março, é propícia a uma nova vaga reprodutiva e mais propagação na região”.

“Esta crise mostra, uma vez mais, a fragilidade dos sistemas alimentares confrontados com ameaças. A abordagem da UE, em consonância com o Pacto Ecológico, centra-se na sustentabilidade. Temos de reforçar a capacidade de resposta coletiva a estas ameaças, mas também temos a responsabilidade de intervir de imediato com determinação para evitar uma crise grave, combater as causas profundas desta catástrofe natural e proteger os meios de subsistência e a produção alimentar“, explicou a comissária europeia das Parcerias Internacionais, Jutta Urpilainen.

100 mil patos vão ajudar a combater praga de gafanhotos

Para ajudar a combater a praga de gafanhotos que colocou o Paquistão em estado de emergência nacional, a China vai enviar 100 mil patos para Sindh, Balochistan e Punjab, as áreas mais afetadas por estes insetos.

Um único pato pode consegue comer mais de 200 gafanhotos por dia“, afirmou Lu Lizhi, investigador sénior da Academia de Ciências Agrícolas da China, à agência noticiosa Bloomberg, destacando que “os patos são poderosas armas biológicas” e que podem ser mais eficazes do que pesticidas.