- Vida Rural - https://www.vidarural.pt -

Associações europeias pedem políticas imediatas relacionadas com edição genética

Várias associações (no total 24), entre as quais a CropLife Europe [1], a Euroseeds [2] e a FoodDrink Europe [3], assinaram uma carta endereçada aos ministros do Conselho Europeu da Agricultura e Pescas a apelar para apoiar ações políticas imediatas baseadas no estudo da Comissão Europeia sobre edição genética [4]. A carta surge no âmbito da reunião deste conselho que se irá realizar nos próximos dias 26 e 27 de maio [5].

Na carta, as entidades apoiam “as conclusões do estudo de que a atual legislação sobre OGM na União Europeia tem desafios de implementação óbvios e que já não é apta para o propósito”.

 

“Congratulamo-nos vivamente com a intenção da Comissão Europeia em iniciar a curto prazo uma ação política sobre as plantas derivadas da mutagénese direcionada e cisgénese. Esperamos que essa iniciativa política crie um ambiente mais favorável e de inovação para os produtos resultantes destes métodos de reprodução, mantendo ao mesmo tempo os elevados padrões de produção alimentar e alimentar da União Europeia”, referem as associações.

Para estas entidades é necessário que a nova legislação tenha em conta os benefícios destas técnicas e dos produtos resultantes, assim como os desafios relacionados com as trocas comerciais no mundo, principalmente face à “desvantagem competitiva [europeia] comparada com os seus homólogos num grupo de países cada vez maior com regulações mais permissivas”.

banner APP [6]
 

“Embora nos congratulemos com a perspetiva de novas ações políticas na área das plantas, também gostaríamos de encorajar a Comissão a iniciar oportunamente discussões com as partes interessadas relevantes na revisão da abordagem regulamentar noutros setores”, afirmam as associações na carta.

“Estas técnicas têm um grande potencial para o setor da reprodução animal e para o desenvolvimento de novos/mais desenvolvimentos e melhoria das estirpes existentes de microrganismos para apoiar a transição para sistemas alimentares mais sustentáveis”, explicam.

Signatários

 

As associações signatárias são: a MAIZ’EUROP’ [7] for the Platform Agriculture and Progress; a Association of Manufacturers and Formulators of Enzyme Products (AMFEP [8]); a European Chemical Industry Council (CEFIC [9]); a European Association of Sugar Manufacturers (CEFS [10]); a European Agricultural Machinery (CEMA [11]); a International Confederation of European Beet Growers (C.I.B.E [12]); a European Association of Cereals, Rice, Feedstuffs, Oil Seeds, Olive Oil, Oils and Fats and Agrosupply Trade (COCERAL [13]); a Confederation of European Yeast Producers (COFALEC [14]);  a CropLife Europe [15]; a European Cocoa Association (ECA [16]); a European Forum of Farm Animal Breeders (EFFAB [17]); a European Flour Milling Association [18]; a EuropaBio [19]; a European Potato Trade Association (Europatat [20]); a European Technology Platform Plants for the Future [21]; a Euroseeds, a European Vegetable Protein Association (EUVEPRO [22]); a Federation of European Rice Millers [23]; a EU Vegetable Oil and Protein Meal Industry Association (FEDIOL [24]); a European Feed Manufacturers’ Federation (FEFAC [25]); a FEFANA [26]; a FoodDrinkEurope; a Primary Food Processors [27] e a Starch Europe [28].

Pode ler a carta completa aqui [29].