Castas de Portugal

Castas de Portugal: Alfrocheiro

Casta autóctone nacional

Designação regional popular: Alfrocheiro Preto

A actual utilização para plantações desta casta é 3% do total plantado (6º no ranking das castas tintos).

Informação Viticert

 

Morfologia  publicação IVV; observada no Alentejo

Pâmpano Jovem: Forma aberta, pigmentação antociânica de média intensidade.

Folha Jovem: Cor da página superior verde esbranquiçado; intensidade média da pigmentação antociânica das 6 primeiras folhas fraca; intensidade das nervuras varia entre nula e intenso, conforme localização.

Flor: Hermafrodita.

Folha Adulta: Tamanho médio. Forma do limbo orbicular, nº de lobos inteira, cor da página superior do limbo verde médio. Perfil involuto, ausência de ondulação de limbo entre as nervuras principais, dentes pequenos e convexos, seio peciolar com lobos ligeiramente sobrepostos. Pigmentação antociânica das nervuras principais fraca.

Bago: Tamanho pequeno, uniforme, arredondado, de cor uniforme de negro-azul, espessura da película média, polpa sem cor, consistência mole e suculenta.

Sarmento: Secção transversal elíptica, castanho-amarelado, ausência de lentículas.

Fenologia

Abrolhamento: 2ª quinzena de Março.

Floração: Final de Maio.

Pintor: 2ª quinzena de Julho.

Fisiologia

Elevada produtividade. Vigoroso. Sensível à escoriose.

Revisão Eng.º Eiras Dias INIA-EVN

Alfrocheiro - videira

 

Valor genético

Proximidade molecular a Trincadeira, Castelão e Camarate.

Variabilidade intravarietal do rendimento baixo.

C.V.G = 14%

Informação Prof. Antero Martins

 

Casta classificada

Nos vinhos regionais do Minho, nos vinhos regionais das Beiras, como casta recomendada em todas as sub-regiões e nas DOC da Bairrada e Dão. No vinho regional da Estremadura, no vinho regional Ribatejano, na Península de Setúbal, nos vinhos regionais Terras do Sado, no vinho regional Alentejano, tal como:DOC Granja, Amareleja, Moura, Redondo e Vidigueira e no vinho regional do Algarve. Única região sem classificação no continente é a zona do vinho regional de Trás-os-Montes.

Informação Anuário IVV

 

Descrição geral

Casta de elevada qualidade cultural. Apesar de uma muito boa adaptação às diferentes características edafo-climáticas do país, do Minho ao Algarve esta casta tem uma representação relativamente baixa nos encepamentos das diferentes regiões vitícolas, embora com tendência a aumentar. Apresenta cachos pequenos e medianamente compactos, recomendados para colheita mecânica, bagos pequenos e uniformes. Trata-se de uma casta com abrolhamento precoce. ATENÇÃO em zonas com geadas tardias.

Descrição do vinho monovarietal

Vinhos de cor profunda, aroma fino e intenso, com notas de frutos vermelhos, equilibrado de gosto, com uma acidez integrada e um final muito harmonioso, sempre que as uvas são vindimadas nas condições ideais de maturação.

Texto Eng.º Paulo Laureano

 

Qualidade do material vegetativo

Material policlonal com garantia Porvitis.

Material certificado cl. 41 JBPlansel (1992).

Alguns vinhos no mercado

Alentejo: Herdade do Peso; Esporão Monocasta; João Portugal Ramos Monocasta; Cooperativa de Borba Monocasta; Castas d’Ervideira. Dão: Quinta dos Roques; Quinta de Cabriz; Casa de Santar; Cooperativa de Vila Nova do Tazem Monocasta; São Domingos Prestígio. Estremadura: Quinta da Sapeira.