Castas de Portugal

Castas de Portugal: Azal

Casta autóctone regional no sudeste do vinho regional Minho

A utilização actual desta casta é inferior a 0,5% do total plantado.

Informação Viticert

Morfologia

Extremidade do ramo jovem: Aberta, com média densidade de pêlos prostrados e orla carmim fraca a média.

Folha Jovem: Verde com placas acobreadas, página inferior com média a forte densidade de pêlos prostrados.

Flor: Hermafrodita.

Pâmpanos: Estriados de vermelho, média intensidade antociânica dos gomos.

Folha Adulta: Tamanho médio, orbicular, inteira. Limbo verde-escuro, plana, medianamente bolhosa, página inferior com forte densidade de pêlos prostrados e fraca a média densidade de pêlos erectos. Dentes médios e rectilíneos. Seio peciolar fechado a pouco aberto, com a base por vezes limitada pela nervura, seios laterais abertos em V.

Cacho: Médio, cónico, medianamente compacto. Pedúnculo médio de comprimento médio.

Bago: Elíptico, grande e verde-amarelado; película espessa, polpa de consistência média.

Sarmento: Castanho amarelado.

Dr. Eiras Dias INIAP-EVN

folha de videira - casta Azal

Fenologia

Abrolhamento: Precoce, em simultâneo com a ‘Fernão Pires’

Floração: Época média, 2 dias antes da ‘Fernão Pires’.

Pintor: Tardio, 17 dias após a ‘Fernão Pires’.

Maturação: Época média, uma semana após ‘Fernão Pires’.

Dr. Eiras Dias INIAP-EVN

Fisiologia

Porte semi-erecto. Vigor forte. Medianamente produtiva e bastante rústica.

Dr. Eiras Dias INIAP-EVN

Valor genético

Variabilidade intravarietal do rendimento baixo

C.V.G = 15,47(%)

Prof. Antero Martins ISA

Casta classificada

Nos vinhos regionais do Minho, no DOC sub-região Amarante, Baião, Basto e Sousa.

Informação Anuário IVV

Descrição geral

Casta muito vigorosa e produtiva, de comportamento cultural rústico. Atinge o seu nível de qualidade plantada em terrenos secos e bem expostos. É uma casta de ciclo longo, precoce no abrolhamento e tardia na maturação. Os cachos são médios, muito compactos e pesados. Revela-se sensível ao míldio, oídio e podridão dos cachos.

Publicação CVRVV/EVAG

Descrição do vinho monovarietal

Vinho de cor ligeira, citrina aberta, descorada, aroma frutado (limão e maçã verde) não excessivamente intenso, complexo, fino, agradável, fesco e citrino, sabor frutado, ligeiramente acídulo, com frescura, jovem, podem em anos excepcionais revelarem-se encorpados e harmoniosos.

ramo de videira - casta Azal

Publicação CVRVV/EVAG

Qualidade do material vegetativo

Material policlonal com garantia Porvitis.

Clones em processo de avaliação para certificação: sel. 198 JB Plansel.

Alguns vinhos no mercado

Almanova; Casa do Valle; Devesa; QL; entre outras.

Informação CVRVV/EVAG