Sustentabilidade

Alemanha ameaça suspender apoio ao acordo UE-Mercosul

Mercosul pode ser o sustento alimentar do mundo em 2050

A ministra da Agricultura alemã, Julia Klöckner, ameaçou a suspensão do apoio da Alemanha à ratificação do acordo do Mercosul face à situação que se vive na Amazónia, frisando que o Brasil assumiu obrigações ambientais ao negociar este pacto comercial “e sofrerá consequências se não as cumprir”. Em declarações ao jornal alemão Die Welt, Klöckner avança que o Brasil se comprometeu com uma gestão florestal sustentável quando fechou o acordo com o Mercosul e frisa que este possui um capítulo de sustentabilidade com regulamentos obrigatórios. “Se estes não forem cumpridos, as reduções alfandegárias acordadas não poderão existir. Trata-se também da nossa credibilidade”, aponta.

Klöckner disse ainda que vai conversar com a ministra brasileira da Agricultura, Tereza Cristina, durante sua visita à Alemanha. “É preciso ajudar o Brasil e outros países a combater o desmatamento e a implementar uma produção agrícola sustentável”, afirmou.

Também o ministro alemão do Exterior, Heiko Maas, pediu ao Brasil que tome medidas mais vigorosas no combate às queimadas na Amazónia e ofereceu ajuda ao chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, num recente encontro com diplomatas em Berlim. Maas frisou que o Brasil deve lembrar-se das promessas feitas à União Europeia durante a conclusão do acordo com o Mercosul, onde se inclui a proteção das florestas tropicais.

Esta posição surge dias depois das declarações da França e da Irlanda a favor da suspensão do acordo comercial com os sul-americanos e pode significar uma mudança no posicionamento alemão, até à data um dos países europeus mais defensores deste acordo. Recorde-se que no início de agosto um porta-voz do governo alemão afirmava que “a não ratificação do acordo com o Mercosul não contribuirá para reduzir o desmatamento na Amazónia”, clarificando que não seria uma reposta adequada aos incêndios no Brasil.