Quantcast
 

Consumo em Verde garante distribuição nos EUA e Canadá

Consumo em Verde garante distribuição nos EUA e Canadá

A Consumo em Verde, a primeira empresa criada no âmbito da iniciativa Act (Acelerador de Comercialização de Tecnologias) da COTEC Portugal, assinou com a multinacional do setor químico FMC Corporation um contrato para a distribuição do seu fungicida patenteado nos Estados Unidos e Canadá.

A empresa irá produzir o Problad Plus, um fungicida biológico eficaz em fungos de plantas como a vinha, morangueiro, tomateiro e nogueira. Entre as principais vantagens do produto, destaca a COTEC em comunicado, “está a sua elevada eficácia (comparável à dos fungicidas obtidos por síntese química) e o seu largo espetro de ação”.

O Act é uma iniciativa da COTEC Portugal que tem por objetivo apoiar a criação de empresas de base tecnológica dirigidas a mercados globais. Os projetos apoiados pelo Act passam por um processo que inclui uma ação de formação para avaliação do potencial das tecnologias (Programa COHiTEC), acesso a financiamento para a fase de validação tecnológica, acompanhamento no desenvolvimento de um plano de negócios e apoio na negociação com investidores.

 

Processo de investigação

A proteína blad foi descoberta em 1991 num trabalho de colaboração entre Paula Cristina Ramos e Emanuel Franco, estudantes de doutoramento do grupo de investigação liderado por Ricardo Boavida Ferreira (ISA e ITQB) e Artur Ricardo Teixeira (ISA).

banner APP VR Mobile
 

Com a entrada para a equipa de investigação de Sara Monteiro (ISA e ITQB), em 2002, foram realizados os estudos de biologia molecular da blad. O trabalho desenvolvido entre 1991 e 2005 permitiu, então, submeter duas patentes de invenção nacional ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial e uma patente internacional ao European Patent Office.

A participação de Virgílio Loureiro (ISA), a partir de 2005, permitiu arrancar com a componente de “empreendedorismo” do projeto, atualmente denominado Problad.

 

Estes projetos de investigação só foram possíveis com o apoio da Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), entre 1991 e 2002, e da Agência de Inovação (AdI), entre 2002 e 2005, sendo que de 2005 a 2007 foi desenvolvido o plano de negócios e o processo de seleção dos investidores, com o apoio da COTEC.