Quantcast
Agricultura

Idanha-a-Nova quer ser reconhecida mundialmente pelo seu património territorial agrícola

Idanha-a-Nova anunciou a sua intenção de aprovar um modelo de governança para a Bio-Região para que a região seja reconhecida como SIPAM.

A Câmara Municipal de Idanha-a-Nova anunciou a sua intenção de aprovar um modelo de governança para a Bio-Região de forma a que a região seja reconhecida como Sistemas Importantes do Património Agrícola Mundial (SIPAM). Para o efeito, vai ser realizado um seminário de dois dias no município, que acontecerá no próximo trimestre, para discutir a aprovação desse modelo, anuncia a ACTUAR – Associação para a Cooperação e o Desenvolvimento, em comunicado.

“Nós assumimos a nossa condição de agricultores. Herdamos as práticas agrícolas de diferentes civilizações que cultivaram oliveiras nesta terra e, assim, sustentaram a economia familiar. Temos que preservar o nosso património único que são as pessoas do campo, a paisagem, a biodiversidade e a cultura”, afirmou o presidente da Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, Armindo Jacinto, durante o intercâmbio “SIPAM e Bio-Regiões: desafios e estratégias para o desenvolvimento dos territórios rurais”.

 

Intercâmbio

O intercâmbio foi realizado entre Idanha-a-Nova (primeira Bio-Região reconhecida em Portugal) e a comarca de La Axarquía (primeiro reconhecimento SIPAM na Europa), na Espanha, e abordou a importância dos SIPAM na preservação de territórios agrícolas locais.

A experiência andaluza foi partilhada pelos representantes da “Agencia para la gestión agraria y pesquera de Andalucía” (Agapa-Málaga), Pablo Avila Zaragozá, David Polonio Baeyens e Rafael Fernandéz Gómez, que ressaltaram a importância do processo participativo de construção como elemento central para o sucesso do plano de conservação dinâmica do SIPAM.

 banner APP

A coordenadora da VALSIPAM – Valorização dos SIPAM no Sudoeste Europeu, Esperanza Perea Acosta, destacou a ligação direta entre o processo do SIPAM e o desenvolvimento do turismo. “O reconhecimento do território como um sistema integrado que engloba biodiversidade, cultura, paisagem e pessoas traz experiências únicas com o turismo. Esta riqueza peculiar precisa de investimentos para ser preservada”, afirmou a responsável.

A interconexão existente entre a valorização das paisagens e dos sistemas agrícolas singulares foi evidenciada no Diagnóstico Territorial Rápido de Sistemas Alimentares Sustentáveis, realizado pela ACTUAR – Associação para a Cooperação e o Desenvolvimento em Idanha-A-Nova.

“O esforço pela constituição de um SIPAM ou a própria manutenção de alguns dos sistemas tradicionais de olival de sequeiro pode vir a fortalecer os esforços do município em torno do desenvolvimento de uma Bio-Região”, afirmou a coordenadora de programas da ACTUAR e da iniciativa SIPAM-CPLP, Joana Dias.

O intercâmbio promovido enquadra-se no projeto “Bio-Regiões: uma estratégia integrada de desenvolvimento dos territórios rurais”, implementado pelo Centro Municipal de Cultura e Desenvolvimento de Idanha-a-Nova (CMCD), em parceria com a Associação Portuguesa de Agricultura Biológica (AGROBIO), a Direção Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DGADR), o Município de Idanha-a-Nova e a ACTUAR – Associação para a Cooperação e o Desenvolvimento.