Agricultura

Lamas das ETAR para fertilizar explorações agrícolas

Lamas das ETAR para fertilizar explorações agrícolas

A AEVO – Associação de Empresas de Valorização de Orgânicos pretende valorizar o material resultante das Estacões de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) através da sua utilização na agricultura, para fertilização dos solos.

A associação é responsável pela recolha, tratamento e reutilização de 70% da produção nacional de lamas das ETAR.

As lamas e composto são ricos em matéria orgânica, potenciado a qualidade dos produtos produzidos. Assim, as lamas recolhidas das ETAR são utilizadas para ajudar os agricultores locais, promovendo também a reciclagem desta matéria, evitando o seu despejo em aterros.

Devido à falta de espaço de armazenamento, as lamas, resultantes do processo de tratamento das águas residuais, têm de ser retiradas quase diariamente, por forma a garantir o funcionamento normal das ETAR.

Depois da recolha das lamas, estas são transportadas para uma plataforma de Operadores de Gestão de Resíduos (OGR) onde são higienizadas ou para serem submetidas à compostagem.

Depois deste tratamento, as lamas podem ser utilizadas para fertilizar solos, depois de serem submetidas a vários procedimentos legais.

“Desde há muitos anos que utilizo lamas urbanas na minha cultura principal, o milho. Os resultados são muito interessantes pois os solos em que trabalho – região Centro e Sul – são muito pobres em matéria orgânica. A melhoria das suas características físicas, químicas e biológicas é evidente”, explica Joaquim Pedro Torres, da Valinveste e organizador da AgroGlobal, citado pela Agricultura e Mar Actual.

Os associados da AEVO recolhem lamas em mais de 120 concelhos de Norte a Sul do país, que depois são utilizadas em valorização agrícola em mais de 40 concelhos.