Segurança Alimentar

Novo representante da FAO em Portugal quer conselho nacional de segurança alimentar

O novo representante da ONU para a Alimentação e Agricultura (FAO), Francisco Sarmento, defendeu que a criação de um Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (CNSAN) que reúna os players mais relevantes na promoção de uma alimentação saudável deve ser uma questão prioritária.

De acordo com a Lusa, o responsável referiu que “Portugal não tem [um CNSAN] e eu acho que era importante. Não tem de ser, necessariamente, um órgão completamente novo, deve construir-se com base no que já existe”.

O responsável assumiu funções em dezembro passado, sucedendo a Hélder Muteia, e pretende que se crie um órgão à semelhança do que já existe noutros países da CPLP e que permita que “as diferentes iniciativas que existem do Ministério da Saúde, da Educação, da Agricultura possam caminhar juntas para resolver os problemas da alimentação”.

“A necessidade de uma maior coordenação entre setores cuja ação impacta na questão da alimentação é uma prioridade em Portugal”, afirmou, sublinhando também que “nós temos um campo muito amplo para trabalhar em Portugal se quisermos, de facto, realizar no país o direito humano à alimentação adequada”.

“Em Portugal, não temos problemas graves de subnutrição como noutros países, mas isso não significa que não tenhamos problemas no sistema alimentar que impactam na saúde das pessoas”, acrescentou ainda Francisco Sarmento.

Para o novo representante da FAO, é preciso também responder à desertificação que está a ocorrer nas regiões do interior do país. É que de acordo com o responsável, “os agricultores de menor dimensão deixaram de ser competitivos e a atividade agrícola praticamente em algumas regiões já não é expressiva”. A solução, diz ainda, poderia passar pela criação de “um mercado local baseado nas compras públicas das escolas e das Forças Armadas, por exemplo. Existem estudos realizados em países da Europa que mostram que isso representa 10% a 15% do Orçamento do Estado. Este tipo de ação poderia manter estes agricultores nos campos, impedir a saída de pessoas para as grandes cidades e, talvez, levar outras pessoas a retornar para a agricultura.”