Financiamento

Portugal contra corte de 15% na nova PAC

Portugal contra corte de 15% na nova PAC

Capoulas Santos, ministro da Agricultura, pediu ao Governo e aos eurodeputados que se juntem na oposição contra o corte de 15% proposto por Bruxelas para o pilar do desenvolvimento rural da nova PAC.

Em declarações à imprensa, o responsável pela pasta da Agricultura defendeu que “queremos no segundo pilar não sofrer cortes e é esse que vai ser o esforço que todos temos que fazer — deputados europeus, Governo, partidos da oposição — para que cheguemos ao final desta negociação com um resultado satisfatório para Portugal”.

O ministro da Agricultura disse ainda que “estamos totalmente contra o facto de, no segundo pilar da PAC [que financia o desenvolvimento rural], se ter aplicado um corte igual de 15% para todos os Estados-membros”. Capoulas Santos fez saber que Portugal vai “tudo fazer para reverter esta posição”, defendendo um esforço conjunto com os deputados europeus e a oposição.

A primeira proposta da Comissão Europeia propõe um orçamento de cerca de 7,6 mil milhões de euros para o quadro comunitário de 2021-2027, prevendo-se uma verba de 4,2 mil milhões de euros no primeiro pilar (pagamentos diretos) e de 3,4 mil milhões no segundo pilar (desenvolvimento rural).

De acordo com Capoulas Santos, neste momento, 15 países concordam que o orçamento para a Agricultura “fica aquém das necessidades para a ambição que temos sobre a nova PAC”.