Quantcast
PDR 2020

Portugal está em quinto lugar na execução dos programas do PDR

Portugal está agora em quinto lugar, em toda a UE, na execução financeira dos programas de Desenvolvimento Rural. A notícia foi avançada pelo ministro da Agricultura, Capoulas Santos, durante o congresso da Anpromis, que decorreu esta terça-feira (7 de fevereiro), que revelou também que será criado um ‘órgão’ de acompanhamento e aconselhamento para o próprio ministro que permita contribuir para a formulação e adaptação da posição nacional sobre o futuro da PAC.

Capoulas Santos espera que “a estrutura a constituir tenha uma componente técnica independente, com recurso aos nossos melhores especialistas na matéria e uma componente de diálogo, e auscultação permanente do sector agrícola através das suas organizações mais representativas”. O ministro acrescentou que tudo fará para “reunir o maior consenso nacional possível, em torno da defesa dos interesses portugueses, já que toda a conjugação de esforços será sempre pouca para enfrentar com êxito os enormes desafios que teremos pela frente”.

Sobre a execução do Programa de Desenvolvimento Rural, o ministro da Agricultura revelou que Portugal foi, em 2016, o primeiro Estado-Membro da União Europeia com maior percentagem de pagamentos do I Pilar em 31/dez (99,9%), encontrando-se na quinta posição entre os 28, no que à execução financeira dos programas de Desenvolvimento Rural diz respeito.

Segundo o Ministro, “isto deveu-se ao facto de termos conseguido desbloquear o PDR 2020, que encontrámos, em outubro de 2015, sem um único projeto contratado, e com uma execução acumulada de 12% em 2014 e 2015, trazendo-o para uma situação em que, dos 32 213 projetos entrados, 28 488 (88%) se encontram já analisados, dos quais 16 200 decididos e 8 494 contratados, a que corresponde um investimento global de cerca de 1000 milhões euros e um apoio público (UE+OE) de quase 600 milhões euros”.

Por outro lado, Capoulas Santos explicou que em 2016 foi batido o recorde de aprovação de candidaturas a projetos de investimento (mais de 15000), ultrapassando o ano 2010 (ano com melhor registo até agora), com 10852.