Investigação

Portugal integra parceria para a Inovação e Investigação no Mediterrâneo

Comissão Europeia lança novas medidas de apoio aos agricultores afetados pela seca

A Comissão Europeia apresentou esta semana uma proposta para a criação de uma parceria para a Investigação e Inovação na região do Mediterrâneo – a iniciativa PRIMA. O objetivo é promover o desenvolvimento de investigação conjunta que potencie a criação de novas soluções para a sustentabilidade da gestão dos recursos hídricos e alimentares.

De acordo com a Comissão Europeia, “nos últimos anos, o setor agrícola do Mediterrâneo tem sofrido sérios momentos de escassez de água e de diminuição da produção agrícola. Atualmente, 180 milhões de pessoas na bacia do Mediterrâneo são consideradas ‘pobres’ em água, ou seja, dispõe de menos de 1000 metros cúbicos por habitante e por ano de recursos hídricos renováveis.

Carlos Moedas, Comissário Europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, explica que “o programa de investigação e inovação da UE é aberto ao mundo para que seja possível fazer face a desafios mundiais em conjunto. Esta parceria Euro-Mediterrânica é um excelente exemplo em que a troca de conhecimentos e investimento podem fazer uma enorme diferença. Trará água de boa qualidade e alimentos para a população, o que contribui para o crescimento das economias locais e irá criar novos postos de trabalho. Através do PRIMA, a investigação e a inovação irá ter um papel crucial na raiz de uma das causas de migração.”

A parceria vai arrancar com 14 países – Portugal, Chipre, República Checa, Egito, Espanha, França, Grécia, Israel, Itália, Líbano, Luxemburgo, Malta, Marrocos e Tunísia -, mas deverá ser alargada a outros países ao longo do tempo, contando para já com um financiamento de 400 milhões de euros.

A parceria encontra-se planeada para dez anos, com início em 2018, e será agora proposta ao Parlamento Europeu e ao Conselho da União Europeia para discussão política e aprovação legislativa.