Quantcast
Agricultura

“Precisamos de produzir comida saudável”

Diretor da FAO e ministro da Agricultura

O sistema alimentar esteve em debate na semana passada no FISAS, em Idanha-a-Nova, onde representantes de 15 países, provenientes de quatro continentes se juntaram com uma preocupação comum: como promover uma transição para sistemas alimentares sustentáveis, permitindo cumprir os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU e chegar a um futuro sustentável.

Na sessão inaugural do Fórum Internacional Territórios Relevantes para Sistemas Alimentares Sustentáveis (FISAS), no dia 18 de julho, o ainda diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), José Graziano da Silva, depois de referir os números do relatório entregue à ONU no dia 15 de julho – onde se confirma a subida de pessoas com fome, de obesos e de insegurança alimentar – sublinhou que “o problema não é a falta de alimentos, já produzimos mais do que o suficiente, o problema é o acesso a estes alimentos”.

 

José Graziano da Silva frisou ainda que “temos de produzir comida saudável, com solos, sementes e práticas agrícolas saudáveis” e considerou que a solução está no desenvolvimento de políticas públicas adequadas, “adiantando que “os sistemas alimentares que temos não foram desenhados para produzir dietas saudáveis, mas para vender produtos processados”.

banner APP VR Mobile

O diretor-geral da FAO defendeu a criação de políticas públicas adequadas para a promoção da agricultura sustentável, da agroecologia e do acesso a alimentos saudáveis por toda a população. Como exemplos, citou a política que promove as compras públicas de alimentos provenientes da agricultura familiar, iniciada no Brasil e já implementada em dezenas de países; a rotulagem clara dos alimentos, como tem sido feito no Chile; e a taxação de alimentos não saudáveis uma vez que, a longo prazo, estes acabam por onerar os sistemas públicos de saúde.

 

O responsável anunciou ainda que a FAO apoiará um programa de cooperação para a criação do Centro de Competências para a Agricultura Sustentável na CPLP, a ser sediado em São Tomé e Príncipe. Segundo José Graziano da Silva, esta iniciativa é uma forma de “abrir uma janela na catedral da Revolução Verde, para plantar a ideia de que um modelo novo e mais sustentável e responsável de produção e consumo é possível. A Revolução Verde foi capaz de prevenir a fome na década de 1970, mas atingiu seus limites e é hora de implementar diferentes modelos para combater a crescente fome e a obesidade que o mundo sofre”, concluiu.