Mercados

Preços das matérias-primas agrícolas voltam a cair

colheita de milho

A média de preços das matérias-primas agrícolas voltou a cair pelo quarto ano consecutivo para o valor mais baixo dos últimos seis anos. A conclusão é da FAO, que revelou esta semana que o índice de preços atingiu uma média de 164,1 pontos em 2015.

De acordo com a agência das Nações Unidas, o indicador tem vindo a acompanhar os preços dos mercados internacionais em cinco grupos de matérias-primas agrícolas e em 2015 caiu cerca de 19,1% face a 2014: cereais mais transaccionados, óleos vegetais, lacticínios, carne e açúcar. A evolução, conta a FAO, representa a quarta queda anual consecutiva e a maior quebra face a 2000.

De acordo com o Jornal de Negócios, que cita também a agência das Nações Unidas para a alimentação, o indicador de cereais da FAO caiu 1,3% em dezembro e o índice anual caiu face a 2014, impulsionado pela “intensificação concorrencial nas exportações no caso dos produtores de milho”, mas também pela “expectativa de aumento da oferta de trigo pela remoção de taxas à exportação na Argentina.”

O índice de preços dos lacticínios foi o que mais recuou: caiu 1% no último mês de 2015 e contribuiu para que a evolução anual caísse 28,5% abaixo do registado em 2014, o que terá resultado do fim das quotas leiteiras na União Europeia a 1 de abril de 2015.

Já o índice dos preços da carne nos mercados mundiais registou uma quebra de 2,2% em dezembro e de 15,1% no acumulado anual fruto do aumento da oferta de carne de porco na Europa e devido à quebra da procura nos EUA por carne importada.

Nos óleos vegetais, o mês de dezembro foi de crescimento, com um aumento de 2,1% nos preços, mas o acumulado anual foi de 19 pontos percentuais. A evolução do açúcar foi semelhante: um ligeiro crescimento de 0,6% em dezembro e uma redução anual de 21% face aos preços de 2014.