Animais

Produção de rações para animais em quebra

Produção de rações para animais em quebra

O 9º Estudo Global sobre Alimentação Animal (Alltech Global Feed Survey 2020), realizado pela Alltech estima que a produção mundial de rações para animais diminuiu 1,07% em 2019, atingindo um total de 1.126 mil milhões de toneladas. Esta quebra é resultante do surto de peste suína africana (ASF) e do declínio da produção de rações para suínos na região Ásia-Pacífico.

“O ano 2019 apresentou inúmeros desafios para a indústria de rações, o maior dos quais foi a peste suína africana. O impacto é visível no declínio da produção mundial de rações, bem como à escala regional, conforme mostra o nosso estudo”, afirmou Mark Lyons, presidente e CEO da Alltech, que apresentou os resultados do estudo numa emissão em direto na web a partir da sede da Alltech no Kentucky, EUA.

Os nove principais países produtores de rações são os EUA, China, Brasil, Rússia, Índia, México, Espanha, Japão e Alemanha, que representam 58% da produção global de rações e detêm 57% das fábricas de rações.

Segundo o estudo, a produção de rações para animais de estimação cresceu em Portugal; na Europa, a produção de rações para bovinos de leite e bovinos de carne diminuiu 4% e 3%, respetivamente. A China caiu da 1ª para 2ª posição mundial como produtora de rações, atrás dos EUA.

“Se por um lado a produção de rações para suínos diminui nos países afetados, notamos um aumento da produção de rações para outras espécies animais e em países não afetados (pela ASF), e um crescimento das exportações. Os prejuízos causados pela ASF terão implicações a longo prazo e estimamos que as principais fontes de proteína continuarão a mudar à medida que a nossa indústria se adapta à escassez (de matérias-primas)”, acrescenta o CEO.

Produção mundial de rações por espécie animal

Os dados globais deste estudo, recolhidos em 145 países e cerca de 30.000 fábricas de rações, apresentam o seguinte retrato da produção mundial de rações por espécie animal em 2019:

  • frangos 28%;
  • porcos 24%;
  • galinhas poedeiras 14%;
  • bovinos de leite 12%;
  • bovinos de carne 10%;
  • utras espécies 6%;
  • aquicultura 4%; e
  • animais de estimação 2%.

O maior crescimento ocorreu nos setores das galinhas poedeiras, frangos, aquicultura e animais de estimação.

Europa

A produção na Europa permaneceu relativamente estagnada, com um ligeiro aumento de 0,2% face a 2018. Os três principais países produtores de rações na Europa são a Rússia (40,5 MT), Espanha (34,8 MT) e Alemanha (25,0 MT), as rações para suínos lideram nos três países.

O setor das rações para ruminantes foi o mais afetado, estima-se que a produção de rações para bovinos de leite e bovinos de carne diminuiu 4% e 3%, respetivamente, uma quebra que foi compensada pelo forte crescimento nas indústrias de rações para aquicultura (7%) e galinhas poedeiras (3%).

A Europa lidera a produção global de rações para bovinos de leite com 34%.