Agricultura

Agricultores alentejanos “preocupados” com a falta de chuva

Agricultores alentejanos “preocupados” com a falta de chuva

Janeiro foi o mês mais seco dos últimos 20 anos, um problema que está a deixar os agricultores do Alentejo “extramente preocupados”. Citada pela Rádio Renascença, a Associação dos Agricultores do Distrito de Portalegre (AADP) afirma que este período de seca meteorológica está já a afetar o Alto Alentejo.

“Dou o exemplo da barragem do Caia que, neste momento, está com 35 por cento da sua capacidade, o que é muito abaixo do que seria razoável para o mês de março”, diz a presidente da associação, Fermelinda Carvalho.

“Tem chovido muito pouco, vamos começar a Primavera e a nossa preocupação é muito grande. Temos as culturas instaladas de outono/inverno, temos as nossas pastagens, os prados espontâneos e é notória a falta de água, as searas não desenvolvem o que era suposto, pois não há humidade no solo”, sublinha ainda a responsável.

A presidente da Associação dos Agricultores do Distrito de Portalegre defende ainda que se não chover em breve, os agricultores da região correm o risco de perder todas as suas culturas.

Já no final de fevereiro, o ministro da Agricultura, Capoulas Santos, tinha revelado que estava preocupado com o “espetro da seca”, referindo também que podem existir “algumas limitações” no regadio em 11 barragens, no sul.

Das 39 albufeiras monitorizadas pela Direção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DGADR), “em 28 barragens vai ser possível ter uma campanha completamente normal”, defendeu o ministro.

Agricultores alentejanos “preocupados” com a falta de chuva