Quantcast
Hortas Urbanas

Horticultura pode promover bem-estar físico e mental da população urbana

hortas urbanas promovem bem-estar físico e mental da população

As hortas biológicas e urbanas podem impactar os comportamentos de saúde, a qualidade de vida e as práticas ambientais dos citadinos. De acordo com um estudo realizado pela Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica do Porto em parceria com a Lipor, a horticultura pode desempenhar um papel importante na promoção de comportamentos mais saudáveis e na melhoria do bem-estar físico e mental das populações urbanas.

O estudo incluiu uma amostra de 115 indivíduos e revela que aqueles que iniciaram a jardinagem evidenciaram, em média e após seis meses, uma melhoria significativa ao nível de comportamentos de promoção da saúde, tendo-se observado um aumento da prática de exercício físico, bem como alterações a nível da alimentação, nomeadamente com o aumento do consumo de laticínios, de peixe, de hortofrutícolas, de ervas aromáticas e, ainda, redução no consumo de doces e pastéis.

 banner APP

Por outro lado, o estudo permitiu concluir que os fumadores reduziram o número de cigarros por dia para cerca de metade e sete indivíduos deixaram de fumar.

De resto, os investigadores conseguiram ainda perceber que os indivíduos que se dedicaram a este tipo de atividades registaram melhorias ao nível da capacidade funcional, na limitação física, dor, estado geral de saúde, vitalidade, aspetos sociais, limitação por aspetos emocionais e saúde mental.