Agricultura

Ministério da Agricultura revela que Portugal vai ter aumento nos pagamentos diretos na nova PAC

CNA quer “medidas compensatórias” para responder à quebra da produção agrícola

Portugal será, segundo o Ministério da Agricultura, um dos cinco países que terá aumentos nos pagamentos diretos na PAC pós-2020. De acordo com o jornal ECO, a informação foi avançada pelo gabinete do ministro da Agricultura em resposta aos deputados.

Phil Hogan, Comissário Europeu para a Agricultura, já havia revelado no início de maio que Portugal seria um dos países a escapar aos cortes nos pagamentos diretos por hectare, no âmbito da proposta de orçamento apresentada pela Comissão Europeia.

Questionada pelo ECO, fonte do Ministério da Agricultura explica que a “ambas as versões são corretas. Não só não existirão cortes, como haverá aumento. Não há qualquer incompatibilidade nestas afirmações, havendo antes complementaridade”.

Recorde-se que Phil Hogan anunciou que, em termos genéricos, os pagamentos diretos aos agricultores vão sofrer um corte de 3,9%, resultante da redução do orçamento previsto para a Política Agrícola Comum — que terá um corte de 5%. Na altura, o Comissário Europeu para a Agricultura tinha indicado que apenas a Estónia, a Letónia e a Lituânia teriam um aumento deste tipo de pagamentos.

O Ministério da Agricultura revela ainda ao jornal que “a posição do Governo é de manutenção das atuais taxas de cofinanciamento: 0% no primeiro pilar e 18% no segundo”.