Florestas

Florestas multifuncionais devem estar na agenda da estratégia europeia

Ministério do Ambiente fica com a tutela das florestas

A União da Floresta mediterrânica (UNAC) destacou a importância dos montados de sobro e de azinho enquanto florestas multifuncionais, bem como a sua contribuição na prestação de serviços do ecossistema, durante um evento organizado pelas associações europeias de produtores florestais (CEPF, Copa-Cogeca, ELO e EUSTAFOR). A UNAC procurou, assim, chamar a atenção para a necessidade de se considerarem os sistemas agroflorestais na Estratégia Florestal Europeia, a ser elaborada durante todo o ano de 2020.

“Se conseguirmos incluir a multifuncionalidade na Estratégia Florestal Europeia, ganhámos este dia”, foram palavras finais do eurodeputado e moderador Petri Sarvamaa, no encerramento do evento, durante o qual foram apresentadas várias tipologias de florestas, evidenciando que, devido à diversidade florestal, será necessário desenvolver soluções personalizadas. O equilíbrio entre as componentes “economia, ambiente e social” foi, também, identificado como uma necessidade urgente.

“As florestas foram chamadas a ter um papel crucial na política de adaptação e mitigação climática, mas o sucesso depende das soluções propostas acautelarem a componente produtiva, uma vez que esta se afigura como fundamental na manutenção e desenvolvimento das economias rurais. Também na prestação dos serviços de ecossistema ficou patente que a maximização de determinados serviços, nomeadamente através da renaturalização das florestas, constituirá um risco à conservação das mesmas nos ecossistemas mediterrânicos, onde o fogo é o maior risco a considerar. As florestas precisam de gestão para um contributo eficaz em termos de sequestro de carbono, preservação da biodiversidade, conservação do solo e da água, resiliência aos incêndios florestais, etc”, refere a UNAC em comunicado.

Em Portugal, vários estudos científicos comprovam que a gestão dos montados assegura uma maior quantidade e diversidade nos serviços do ecossistema do que os montados abandonados ou intensamente explorados em todos os seus recursos.

“A conjugação da silvicultura e da agricultura na mesma parcela permitiu chegar até hoje com este património florestal de elevado valor ambiental. Esperamos que continue a sê-lo numa futura estratégia europeia”, indica esta organização.