Agricultura

Ataques a agricultores na África do Sul aumentaram 60% nos últimos dez anos

Ataques a agricultores na África do Sul aumentaram 60% nos últimos dez anos

Os ataques contra agricultores na África do Sul aumentaram cerca de 60% nos últimos dez anos. Os dados são do sindicato agrícola TLU SA, que indica que entre 2000 e 2009, registaram-se um total de 1407 ataques e que entre 2010 e 2019 o número de ataques a agricultores sul-africanos reportados chegou aos 2616.

É também este relatório que indica que o número de homicídios aumentou de 637, no período entre 19990 e 1999, para 799 entre 2000 a 2009, um aumento de 22%. Já entre 2010 e 2019, o número de homicídios chegou aos 586, de acordo com o sindicato.

Já em 2018, a Agri SA, o maior grupo comercial agrícola na África do Sul, tinha denunciado aquilo que considerava ser um problema de “a violência contínua que a comunidade agrícola e a sociedade sul-africana enfrentam diariamente”, após a publicação das estatísticas que mostravam existir um aumento de criminalidade no país.

“Os assassinatos e ataques à comunidade agrícola permanecem demasiadamente elevados e são inaceitáveis, a sociedade e o Governo deveriam tomar nota disso”, disse na altura a organização.