Quantcast
Vinha e vinho

Associação de enotorismo pretende regulamentar atividade

App portuguesa para gestão de experiências enoturísticas apresenta-se na Web Summit

Foi apresentada a primeira associação dedicada ao enoturismo, a APENO – Associação Portuguesa de Enoturismo. Na sessão de apresentação, realizada online, a presidente da APENO e consultora de vinhos Maria João de Almeida explicou que o objetivo da associação passa por construir um setor e regulamentar a atividade.

A associação surgiu em fevereiro deste ano e foi criada pela atual presidente e por uma equipa multidisciplinar especializada, que se propõe a criar oficialmente o setor e a defender os interesses dos enoturismos nacionais.

No evento de apresentação estiveram presentes Nuno Russo, secretário de Estado da Agricultura e do Desenvolvimento Rural; Lídia Monteiro, diretora coordenadora do Turismo de Portugal; Bernardo Gouvêa, presidente do IVV; e Frederico Falcão, presidente da ViniPortugal.

Para Maria João de Almeida, presidente da APENO, a estratégia da associação passa por dar expressão ao enoturismo em Portugal, afirmando-o como um setor de relevo na economia portuguesa e fomentando a sua internacionalização.

“Com esta associação queremos organizar e construir um setor, regulamentar a atividade e orientar quem se quer dedicar a esta área, porque, na verdade, o setor não está formalizado, nem em Portugal nem lá fora. Por essa razão encaro este cargo de presidente da APENO com um forte sentido de missão, sinto que podemos fazer um trabalho que inspire outros países a fazer o mesmo”, explica.

Durante a sessão, Maria João de Almeida teve a oportunidade de apontar algumas das lacunas existentes no sector do enoturismo, como “a inexistência de um CAE específico para as empresas do sector ou de um código de IRS, assim como a falta de benefícios fiscais ao investimento no enoturismo ou linhas de apoio diretamente criadas para empresas de enoturismo”, entre outros pontos onde ainda se inclui o código laboral.

Para a equipa da APENO, o importante agora é “começar a trabalhar, unir esforços e fazer parcerias nacionais e internacionais, em prol do enoturismo”.

Foram também anunciadas algumas atividades até ao final do ano, como a realização de wine talks, um gabinete de serviços que apoia projetos de Enoturismo (nas áreas financeira, legal, Tecnológica, marketing e comunicação), e uma bolsa de emprego que apoiará as empresas na área de recursos humanos específicos para esta área, e ainda um clube do enoturista que organizará atividades dedicadas aos apreciadores de vinho.