Agroindústria

Soro do fabrico de queijo pode ser transformado em bebidas proteicas ou energéticas

Soro do fabrico de queijo pode ser transformado em bebidas proteicas ou energéticas

A Universidade de Coimbra está a desenvolver um projeto que aproveita o soro que resulta do fabrico do queijo para o fabrico de bebidas fermentadas à base de concentrados de soro. O projeto foi agora contemplado com uma ‘Bolsa de Ignição’ do INOV C 2020, um projeto suportado por fundos do FEDER que pretende alavancar ideias de empreendedorismo e inovação na região centro.

“Uma das principais inovações deste projeto é a proposta de utilização industrial de uma tecnologia já existente, o processo de ultrafiltração e osmose inversa. O objetivo da equipa de investigação é melhorar esta tecnologia para tratamento do soro, de forma a aplicá-la na indústria queijeira sem que esta tenha a necessidade de se readaptar, pois já possui os instrumentos necessários. Ao valorizar o soro de queijo, atualmente um excedente industrial, numa matéria-prima, será possível utilizá-lo no fabrico de outros produtos nutricionais, a custos mais reduzidos”, explicam os responsáveis do INOV C 2020.

Desta forma, os investigadores pretendem impulsionar o fabrico de bebidas fermentadas a partir de proteínas do soro (CPLS) e permeados de ultrafiltração concentrados (PUFC). Daniela Costa, investigadora e porta-voz do projeto, sublinha que “esta tecnologia permite a transformação imediata do soro em bebidas proteicas ou energéticas, sendo de fácil aplicação para as pequenas e médias empresas, que ao nível nacional são responsáveis por metade do volume excedentário de soro. Ao contrário das grandes unidades industriais no sector de lacticínios, são estas empresas que mais se debatem com o problema de eliminação do soro. Adicionalmente, estamos a ir ao encontro das recomendações da FAO para a redução da pegada ecológica na indústria alimentar.”