Quantcast
Floresta

Ecossistema dos Montados vale mais de 178 M€ por ano em Portugal

Iniciativa Pró-Montado Alentejo quer fundos próprios para a floresta autóctone e para o combate à desertificação

A equipa multidisciplinar do Instituto Superior Técnico e da UNAC – União da Floresta Mediterrânica anunciou que avaliou os serviços de ecossistema providenciados pelo Montado em mais de 178 milhões de euros por ano, em Portugal. Os resultados são do projeto ECOPOL.

O projeto ECOPOL – Internalização da Narrativa Funcional do Montado na formulação, acompanhamento e avaliação das políticas de Desenvolvimento Rural – quantificou economicamente os serviços de sequestro de carbono, conservação do solo e a retenção de nutrientes.

Impacto económico

No caso de perda destes serviços, devido ao abandono, a perda anual é de 194 euros por cada hectare, no caso dos montados de sobro. Nos montados de azinho a perda é de 112 euros por hectare.

Em caso de um aumento excessivo do encabeçamento pecuário, a perda anual calculada ascende a 338€/por hectare no montado de sobro e a 256€/por hectare, no de azinho.

Entre outros, os montados prestam pelo menos mais 6 serviços relevantes: regulação do balanço hídrico, biodiversidade funcional, biodiversidade emblemática, redução do risco de incêndio, polinização e valor cénico da paisagem. Nestes serviços “apenas foi possível fazer uma análise qualitativa”.

Proposta

Com base nestes resultados, foram propostos dois modelos de remuneração dos serviços de ecossistemas dos Montados: um ecoregime, novo mecanismo previsto na PAC 2021-2027, e um compromisso ambiental e climático.

“A reduzida regeneração natural destes espaços agroflorestais e a sua perda de densidade, dois dos seus principais problemas, serão contrariados pelas medidas de gestão propostas”, afirma a equipa multidisciplinar.

O relatório e a ficha técnica do projeto podem ser vistos aqui