Quantcast
Tecnologia e Máquinas Agrícolas

Programa ´Operation Pollinator´ utiliza sensores que monitorizam biodiversidade nos campos agrícolas

O programa Operation Pollinator da Syngenta decidiu apostar no uso de sensores que monitorizam de forma automática e permanente a atividade dos insetos polinizadores nos campos agrícolas. O “entomólogo digital” está a ser testado no sul da Dinamarca e já demonstrou que a atividade dos polinizadores é 60% superior nas margens multifuncionais Operation Pollinator do que nas bordaduras com vegetação espontânea.

“Na Primavera fizemos um teste com dois sensores elétricos de deteção de insetos, um foi instalado numa margem multifuncional Operation Pollinator e outro numa faixa de vegetação espontânea na bordadura da parcela. Ficámos muito surpreendidos com os resultados (da atividade e diversidade dos insetos benéficos), que foram 60% superiores na margem multifuncional”, afirma Joachim Moltke, o agricultor dinamarquês que participou no projeto-piloto. “Sem dúvida, que vamos estar atentos a isto no futuro”, garante.

Os sensores projetam luz infravermelha invisível sobre os insetos voadores, recebendo de volta a luz refletida por cada inseto. Em poucos segundos, a informação é analisada por um software que identifica a espécie do inseto, através da sua cor, dimensão e frequência do batimento das asas. “Os dados são registados e enviados, podendo ser acedidos pelos agricultores através de uma aplicação instalada no telemóvel”, explica a Syngenta.

“O nosso sensor deteta e regista tudo o que voa à sua volta, a qualquer hora do dia. Em vez de nos deslocarmos ao campo, temos lá ‘alguém’ que vê por nós 24h/dia. Poupa imenso trabalho aos entomólogos”, explica Chistoffer Gronne, biólogo da Fauna Photonics, empresa parceira da Syngenta neste projeto.

O “entomólogo digital” permite obter informação em tempo real sobre o período de voo dos insetos e a chegada de novas espécies aos campos agrícolas. “Ao saber quais as espécies de insetos presentes a cada momento nas suas culturas, o agricultor pode, por exemplo, ajustar a janela de aplicação dos produtos fitofarmacêuticos, minimizando o impacto nos polinizadores e outra fauna auxiliar”, lê-se em comunicado.

“As tecnologias digitais ajudam a criar explorações agrícolas mais sustentáveis e este é um excelente exemplo da forma como a Syngenta está a contribuir para acelerar a inovação na agricultura, através de parcerias com impacto”, começa por referir Felisbela Campos, responsável de assuntos corporativos da Syngenta. “Embora se trate de um projeto-piloto, os seus resultados são muito encorajadores e revelam as potencialidades desta tecnologia para a monitorização dos polinizadores. Esperamos que possa vir a ser aplicada num futuro próximo também nas explorações agrícolas parceiras do Operation Pollinator em Portugal”, conclui a responsável.