Agricultura

Área contaminada com Xylella alastra

Foram identificadas mais plantas com a bactéria Xylella fastidiosa durante uma nova prospeção efetuada pelos serviços da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte (DRAPN) no jardim do Zoo de Santo Inácio

Foram identificadas mais plantas com a bactéria Xylella fastidiosa durante uma nova prospeção efetuada pelos serviços da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte (DRAPN) no jardim do Zoo de Santo Inácio, em Vila Nova de Gaia, local onde tinham sido detetadas as primeiras plantas infetadas.

De acordo com o jornal Público, a Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) indicou ter sido determinada “uma nova demarcação da zona infetada” com a confirmação de mais plantas de Lavandula dentata infetadas no jardim, uma ação no âmbito do Plano de Contenção da doença.

A DGAV indicou ainda que já identificou a subespécie da bactéria: “Trata-se da X. fastidiosa subsp. Multiplex e está associada a 58 espécies/géneros de plantas, entre eles a amendoeira, a cerejeira, a ameixeira, a oliveira, o sobreiro, a figueira e muitas plantas ornamentais e da flora espontânea”.

Esta entidade apela ainda a particulares ou profissionais para colaborarem com os esforços oficiais que estão a ser feitos no sentido da erradicação do foco agora detetado, alertando para a necessidade do “escrupuloso cumprimento das restrições ao movimento de plantas suscetíveis à doença.”