Cereais

Central de Cervejas e Agri Marketplace promovem criação de nova fileira de cevada dística

A Central de Cervejas e a Agri Marketplace estabeleceram uma parceria para a promoção da criação de uma nova fileira de produção de cevada dística em Alcácer do Sal.

O projeto conjunto começou a ser desenhado em 2019 e tem como objectivos potenciar a inovação na cadeia de valor e promover a agricultura nacional.

A parceria resultou num projeto de cultivo de cevada dística pelos produtores de arroz da região do Vale do Sado, cuja produção será adquirida pela Central de Cervejas.

Esta iniciativa procura dar resposta ao problema de escassez de água verificado nos últimos anos na região do Vale do Sado, acrescido dos constrangimentos de acesso a água em 2020, que se deve a obras nos canais de rega que afetaram negativamente a produção de arroz.

“A criação desta nova fileira de cevada em Alcácer do Sal é também uma oportunidade para os produtores agrícolas desta região mitigarem efeitos da situação de crise dos últimos anos, através deste rendimento alternativo e, simultaneamente, uma diversificação agrícola a longo prazo, através da implementação de uma cultura de sequeiro. Também foi possível dinamizar outras entidades da região, como a APARROZ – Agrupamento de Produtores de Arroz do Vale do Sado, através da sua prestação de serviços de beneficiação e armazenamento do cereal”, refere comunicado conjunto.

Para a Central de Cervejas, este é mais um exemplo da abordagem do seu programa de sustentabilidade que define compromissos ao longo de toda a cadeia de valor – “da cevada até ao bar” –, privilegiando a aquisição de matérias-primas de fornecedores nacionais, reduzindo assim o volume da quota de cevada importada.

Segundo referem no comunicado, a iniciativa representa uma inovação agrícola com a execução de um processo de procurement efetuado pela Agri Marketplace, na região do Vale do Sado, e que resultou “numa área total de 100 hectares de produção de Cevada em Alcácer do Sal, distribuídos por três produtores agrícolas e com uma estimativa de produção anual total de 300 toneladas de cevada dística”.

A expectativa é que a iniciativa se possa repetir no próximo ano e expandir-se geograficamente.